Você tem consciência do quanto come?

Publicado em 26 de junho de 2008, quinta-feira.

Cada um de nós come a quantidade que come em grande parte graças ao entorno. Muitas vezes nem precisamos ter fome, mas por causa da família e dos amigos, embalagens e pratos, nomes e números, rótulos e luzes, formas e cheiros, distrações e distâncias, armários e recipientes. A lista é infinda e ao mesmo tempo quase imperceptível, pois a maioria de nós não tem consciência do quê influencia a quantidade de comida que ingerimos.

Centenas de estudos e artigos científicos comprovam que comemos até encontrar sinais de que já comemos o suficiente. Por exemplo, se a mesa estiver vazia, está na hora de parar. Se todos já saíram da mesa e ainda estamos sentados, eis outra pista. Para muitos, desde que haja comida no prato, ainda há o que fazer.

Um estudo feito em Chicago há alguns anos revelou que o tamanho do balde da pipoca influencia no quanto comemos desse alimento. O grupo do balde grande comia em média 173 calorias a mais de pipoca do que o grupo do balde médio. É mais ou menos vinte e uma investidas a mais no balde.

Esses persuasores ocultos podem até mesmo aparecer como uma descrição saborosa de um prato ou um nome classudo em uma garrafa de vinho. Se pensarmos que a comida será saborosa, ela será. É mais ou menos o que ocorre quando diferenciamos dois produtos de marcas diferentes. Provavelmente o mais caro e mais conhecido será muito mais apetitoso para o nosso paladar do que o mais barato e de marca não tão famosa.

Estima-se que 72% das calorias ingeridas vêm de alimentos que comemos em tigelas, pratos e copos. Esses recipientes podem criar ilusões de ótica, que nos deixam enganar sobre a quantidade de comida que contêm.

Veja a figura abaixo:



Qual dos círculos ao centro é maior?

Os círculos ao centro têm exatamente o mesmo tamanho, mas aqueles ao redor alteram - e muito - sua aparência.

Agora, transferimos isso para a mesa:



As porções de comida são exatamente iguais, mas o tamanho dos pratos em que são servidas altera a percepção de seu tamanho. Ou seja, se você colocar 100g de purê de abóbora em um prato de 30 cm, parecerá muito menos do que se colocá-lo em um prato de 20cm. Mesmo que fique atento ao tamanho da porção que servir, o prato maior certamente fará com que sirva mais. E já que todos tendemos a terminar as porções que servimos, provavelmente acabaríamos comendo tudo.

Outro grande problemas está no fato de "comermos com os olhos". Pesquisadores da Universidade de Columbia colocaram um prato com pequenos sanduíches de frango na frente de pessoas durante o almoço. Algumas mesas recebiam os sanduíches embrulhados em filme plástico e outras recebiam embrulhados em papel alumínio. Em quase todos esses estudos, as pessoas comeram mais os sanduíches embalados em filme plástico do que em papel alumínio. Nós comemos mais dos alimentos que vemos porque pensamos mais sobre eles. Sempre que vemos uma bomboneira, temos de decidir se queremos ou não um chocolate, e dizer não a algo gostoso e muito tentador. E se a vemos freqüentemente, alguns nãos acabarão virando sims do tipo "tudo bem, é só unzinho...". Brian Wansink, idealizador de todos esses estudos alerta: "Longe dos olhos, longe do pensamento. Perto dos olhos, perto do pensamento".

Como foi descrito no início, a lista de situações de risco ao nosso redor, que nos levam a comer em excesso, é praticamente infinita e cabe a nós estarmos atentos e tentar evitá-las. Está claro que não é a comida em si que nos faz engordar e nem a fome sozinha que determina o que nós comemos.

Copyright 2017 © Bem de Saúde - Todos os direitos reservados

As informações e sugestões contidas nesse site têm caráter meramente informativo, e não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, dentistas, nutricionistas, psicólogos e profissionais de educação física.