Álcool, cigarro e bochechos interferem no hálito

Publicado em 27 de maio de 2007, domingo.

O cigarro é mais um componente prejudicial ao hálito. No geral, tem cerca de quatro mil toxinas, sendo mais da metade derivada de enxofre. O fumo causa aquecimento da mucosa, provocando a descamação da boca, com a formação de saburra lingual em conseqüência, segundo explica a dentista Daiane Rocha.

O álcool é outro vilão que provoca ainda mais ressecamento bucal e interfere no hálito. E mais. Ao contrário do que se pensa, os bochechos anti-sépticos também não são indicados porque grande parte dos produtos tem álcool na composição, segundo Daiane. O consumidor deve ficar de olho no rótulo. \'Muitas pessoas tentam mascarar o mau hálito com bochecho e, na verdade, podem estar prejudicando. Depois que bochecha, começa a descamar e formar saburra\', explica o dentista Marcos Fábio Benevides.

Do lado dos alimentos, as pessoas com tendência a ter halitose devem diminuir a ingestão daqueles de odor forte. Alguns são derivados do enxofre, que depois de metabolizados pelo organismo liberam o cheiro. O alho e a cebola são exemplos, porque contêm substâncias voláteis de odor muito intenso que entram na corrente sangüínea, vão para o pulmão e são exaladas pela boca e nariz.

\'As frituras também, os frios, o café em excesso, assim como o atum e a sardinha causam mau hálito. Algumas pessoas têm intolerância � lactose e não sabem. Em geral, não é que não se possa tomar leite, o problema é o exagero. Os excessos é que provocam mau hálito\', frisa Daiane.

Copyright 2017 © Bem de Saúde - Todos os direitos reservados

As informações e sugestões contidas nesse site têm caráter meramente informativo, e não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, dentistas, nutricionistas, psicólogos e profissionais de educação física.