Ansiedade generalizada

Publicado em 10 de julho de 2009, sexta-feira.

A ansiedade generalizada é um transtorno psiquiátrico caracterizado por três sintomas principais: preocupações, ansiedade e tensão. A ansiedade generalizada é bastante comum, podendo afetar até 5% das pessoas. As pessoas que sofrem de ansiedade generalizada podem experimentar importantes limitações em vários aspectos de suas vidas, incluindo trabalho, convívio social e vida afetiva. Existem tratamentos efetivos para a ansiedade generalizada. Estes tratamentos incluem o uso de medicamentos e psicoterapia. As preocupações são comuns na vida de todas as pessoas. Determinadas vivências ou circunstâncias podem agravar preocupações ou mesmo produzi-las. Entretanto, portadores de ansiedade generalizada preocupam-se constantemente, na maior parte do dia, quase todos os dias. Nesse sentido, as preocupações ligadas à ansiedade generalizada são diferentes das preocupações normais. Nos portadores de ansiedade generalizada há a constante expectativa de que o pior vai acontecer.

Já a ansiedade é uma emoção normal. Todas as pessoas sentem ansiedade, em graus variados, quando se sentem ameaçadas. A sensação de ansiedade pode ser inclusive uma forma de defesa. Por exemplo, uma pessoa pode ficar ansiosa ao perceber que se encontra em um local perigoso. Nessa situação, a ansiedade funcionará como um alarme, mobilizando uma reação ao perigo. Certo nível de ansiedade é, portanto, normal e mesmo desejável. Na ansiedade generalizada, a ansiedade não ocorre apenas como uma reposta a situações de vida. Está presente quase todo o tempo, prejudicando a execução de tarefas diárias. Deixa a sensação de estar sempre no limite. Isso leva a incapacidade de relaxar e, por conseguinte, à sensação de cansaço, esgotamento. Muitas pessoas acreditam que uma pessoa ansiosa pode ser mais produtiva, dispondo de mais energia, o que não é verdade. Ansiedade generalizada funciona como um "desperdício de energia", pois o paciente está alerta o tempo todo e tem dificuldade para tocar-se em coisas realmente importantes. Uma sensação freqüente em portadores de ansiedade generalizada é de que a ansiedade paralisa, impede a realização de tarefas normais devido ao constante medo de que algo desastroso possa advir de suas atitudes, gerando insegurança. Os sintomas comuns da ansiedade generalizada incluem: inquietude, sensação de estar "sempre ligado", cansaço fácil, dificuldade para concentrar-se, irritação, tensão muscular e dificuldades com o sono. Muitas vezes, mal-estar corporal ocorre como conseqüência da tensão permanente. Nesse caso podem ocorrer sintomas digestivos (como dificuldade para engolir e enjôo), sintomas cardiovasculares (como palpitação ou dor no peito), sintomas respiratórios (falta de ar, sensação que o ar "não vai até o fundo dos pulmões") e dores no corpo, principalmente na região da cabeça, pescoço e coluna vertebral.

Ansiedade e preocupação constantes, excessivas e difíceis de controlar são os sintomas principais. Em geral a duração dos sintomas é longa e muitos portadores do transtorno se descrevem como ansiosos desde a infância. A causa da ansiedade generalizada não é completamente conhecida. Acredita-se que fatores genéticos sejam importantes. Ou seja, certos indivíduos podem herdar uma predisposição para desenvolverem a ansiedade generalizada. Um ambiente estressante, particularmente na infância, pode ser predisponente à ansiedade generalizada. Da mesma forma, determinadas crenças ou princípios de vida podem predispor um individuo à ansiedade. Por exemplo, se um indivíduo acredita firmemente que sempre que perder o controle de uma determinada situação ocorrerá um desastre, naturalmente, situações de incerteza aumentarão seu nível de ansiedade.

O tratamento da ansiedade generalizada pode ser realizado com medicamentos ou psicoterapias ou uma combinação das duas modalidades. Os medicamentos utilizados para tratar a ansiedade generalizada são os antidepressivos, os benzodiazepínicos e as azapironas. A psicoterapia é de grande auxílio para o paciente poder entender e manejar sua ansiedade. Esse tipo de tratamento auxilia o paciente a dar-se conta das distorções que faz da realidade e do excesso de preocupação. Como conseqüência do tratamento, os portadores do transtorno podem aprender a controlar melhor seus pensamentos negativos e distorcidos. O tratamento com a medicação e/ou terapia produz um grande alivio nos sintomas de ansiedade generalizada. Procurar auxílio especializado é o primeiro passo. Ansiedade generalizada não é um defeito, mas sim um diagnóstico. Identificar o problema e tratá-lo pode ser o fim de longos anos de preocupação, ansiedade e extensões excessivas.

Os tratamentos com antidepressivos são atualmente considerados tratamento de primeira escolha para a ansiedade generalizada. Mesmo que o individuo não se encontre deprimido, este tipo de medicação age reduzindo os sintomas de ansiedade. Além disso, em torno de 60% os pacientes que sofrem de ansiedade generalizada também apresentam depressão. O uso de medicações com efeito antidepressivo pode ser vantajoso em alguns casos de ansiedade generalizada. Os efeitos colaterais dos antidepressivos em geral são mais intensos no inicio do tratamento e diminuem após algumas semanas. Da mesma forma, o efeito terapêutico dessas medicações demora em torno de três semanas para ocorrer de forma completa. O uso de antidepressivos em pacientes com a ansiedade generalizada é recomendado por um período de seis meses a um ano após a obtenção da melhora. Esse tempo de tratamento é recomendado, pois a ansiedade generalizada tende muitas vezes a se tornar um problema crônico e recaídas são freqüentes. Portanto, a recomendação é de que, quando iniciado o tratamento, o uso da medicação não seja interrompido após a melhora dos sintomas. Quando a interrupção do tratamento for realizada, deve ser feita sob indicação e supervisão médicas. O uso da medicação adequada e doses corretas estão associados a uma importante melhora do quadro. Boa parte dos pacientes tornam-se assintomáticos com tratamento e a recaída no quadro de ansiedade generalizada pode ser prevenida com o uso continuado da medicação, juntamente com o auxílio da psicoterapia ajudando o paciente a adotar um novo estilo de vida com novos padrões de pensamentos.
Dra. Josiane Buratto

Dra. Josiane Buratto

A Dra. Josiane Buratto é graduada em Psicologia, com formação em Psicanálise e Pós graduada em Obesidade e Emagrecimento. Clique aqui para conhecer mais nosso(a) especialista.

Copyright 2017 © Bem de Saúde - Todos os direitos reservados

As informações e sugestões contidas nesse site têm caráter meramente informativo, e não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, dentistas, nutricionistas, psicólogos e profissionais de educação física.